Adolescente de 17 anos morre de Covid-19 no Rio

Compartilhe
  • 26
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •   
Adolescente de 17 anos morre de Covid-19 no Rio

A estudante Kamilly Ribeiro, de 17 anos, que morreu na última terça-feira vítima da Covid-19, foi tratada com cloroquina. A informação foi confirmada pela Secretaria municipal de Saúde de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A adolescente tomou o medicamento quando estava no CTI do Hospital Moacyr do Carmo, no mesmo município.

Responsável pela administração da unidade, a prefeitura disse Kamilly e a mãe, a dona de casa Germaine Ribeiro dos Santos, de 43 anos, chegaram a ser testadas para Covid-19, e que o resultado positivo da jovem foi confirmado no último dia 2. A assessoria disse ainda que a adolescente foi transferida para um leito de CTI, ainda em 24 de março, e que morreu 20 dias depois.

A Secretaria municipal de Saúde usou a cloroquina “conforme indica o protocolo do Ministério da Saúde para o uso do mesmo”, segundo o boletim médico.

Duas perdas sem despedidas

O coronavírus tirou da dona de Germaine Ribeiro o direito de se despedir de quem mais amava, por duas vezes seguidas, num período de apenas 12 dias. Ela e a filha, a estudante Kamilly Ribeiro, apresentaram sintomas da doença e foram internadas no dia 22 de março, numa unidade de saúde do distrito de Xerém. Dois dias depois, ambas foram encaminhada para o isolamento no Moacyr do Carmo.

No dia 2 de abril, Edmar Santos Ribeiro, de 71 anos, pai da dona de casa, morreu no Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI), por conta de um acidente vascular cerebral (AVC). No último dia 14, foi a vez de Kamilly não resistir. Até agora, a adolescente é a mais jovem vítima fatal da Covid-19 no estado.

Germaine venceu a doença. Mas, após deixar o hospital, teve que ficar em quarentena. Isolada num quarto de casa, não conseguiu acompanhar os dois sepultamentos. Emocionada, ela lembra, com a voz embargada, dos sonhos interrompidos da filha. Religiosa e estudiosa, a menina, que cantava numa igreja evangélica, queria cursar Medicina e iria fazer prova do Enem este ano para tentar a vaga numa universidade. Ela não tinha nenhuma doença preexistente.

— Minha filha era uma princesa que servia a Deus. Durante o tempo em que eu estive no Hospital Geral de Nova Iguaçu, cuidando do avô dela, ela cuidou do irmão menor. Era uma menina muito obediente, que cantava na igreja. Queria ser médica e missionária para ajudar na obra de Deus — afirmou, em meio às lagrimas.

Mãe e filha chegaram a ocupar uma mesma enfermaria do Hospital Moacyr do Carmo. Na última vez que viu a jovem, Germaine chamou a equipe médica após Kamilly passar mal. Segundo a dona de casa, no período em que ficaram juntas, as duas chegaram a ser medicadas com cloroquina.

— Ela ficava em uma cama e eu em outra. Lembro que ela chegou a sentir falta de ar e pediu para trocar de cama comigo. Também fizemos uso de oxigênio. No dia 24, Kamilly passou mal e vomitou. Gritei e chamei os médicos, aí ela foi levada para outro leito e entubada — contou a dona de casa.

Germanie disse já ter sido informada verbalmente que seu teste para coronavírus também apresentou resultado positivo, mas que ainda não tem o diagnóstico oficial em mãos.

Fonte: Yahoo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: